[dropcap style=”style3″]C[/dropcap]heguei na rodoviária de Salvador por volta das 5:30 e esperei até 9:00, horário que sairia o primeiro ônibus para a Praia do Forte. Pois é, a rodoviária de Salvador já está virando minha segunda casa, de tanto que passo e fico por lá. Agarrado a minha mochila, tirei um cochilo até chegar a hora. Garanti também logo minha passagem para Porto Seguro na terça-feira, para não ter risco de perder o ônibus de novo.

A empresa que faz a ligação de Salvador para as praias da Costa dos Coqueiros é a “Linha Verde”. A passagem custa uns R$ 9. Até Praia do Forte, a viagem durou por volta de 1h30min. Cheguei lá, portanto, às 10:30. O albergue é bem confortável, o atendimento tranquilo e as acomodações boas também. O chuveiro, o mais forte de todos até agora. Mas o calor… Disparado o lugar mais quente. O ventilador vira puro enfeite no teto.

 

Andando é possível conhecer todas as opções de passeio da Praia do Forte, mas optei por ficar torrando na praia nessa primeira tarde aqui. A orla toda da praia é muito bonita, com águas claras, tranquilas e quentes. Os coqueiros (que dão nome à Costa), completam a paisagem. Em alguns trechos há muitas daquelas algas fedorentas e tive de dar uma boa caminhada para achar um trecho sem elas e sem alma humana. Curti bem a água e depois apaguei debaixo da sombra de um coqueiro. 

Lá pelas 18:00, voltei para o albergue e já às 20:00 tinha dormido de vez. Tive de tirar o atraso e o cansaço da viagem Lençóis/Salvador e dormi até às 9:00 do dia seguinte. Ô, vida mole essa…