[dropcap style=”style3″]A[/dropcap]cordei tarde após as caminhadas exaustantes do dia anterior e já tive de arrumar minhas coisas. O ônibus para Porto Seguro sairia da rodoviária de Salvador às 20:00 da noite, mas não queria sair da Praia do Forte muito em cima da hora. Resolvi utilizar a tática antiga. Esperei dar meio-dia, horário em que acaba a diária no albergue, e saí com a mochila nas costas para a rodoviária de Salvador. Cheguei lá por volta das 14:00, deixei minha mochila no guarda-volumes e parti para o shopping Iguatemi, do outro lado da rua.

Almocei e parti para a sessão dupla de cinema. Foi difícil conciliar os horários: escolhi o filme “Marley e Eu” para abrir a tarde e finalizei com o único que se encaixava dentro do cronograma: “The neighbor”, traduzido como “Amor de Vizinho”. O primeiro filme bom, o segundo não comprometeu. O pior foi eu ter me descuidado do horário. Quando saí do cinema eram 19:50! Faltavam apenas dez minutos para o ônibus sair da rodoviária. Atravessei a passarela, que não é nada curta, correndo muito. Fiz um tempo recorde de seis minutos até a rodoviária, ainda tive de pegar a mochila no guarda-volumes e achar a passagem, que havia sumido. Suando e respirando de forma ofegante, cheguei no ônibus mesmo às 20:01. Sorte que havia atrasado.

filmes2

A viagem para Porto Seguro durou umas 11h e foi a mais tranquila de todas até agora. O ônibus da “Águia Branca era muito bom, confortável e dei a sorte de viajar sem ninguém ao meu lado (o único lugar vazio do ônibus). Passou um filme legal que nem lembro o nome, havia um lugar específico para colocar fone de ouvido ao lado da poltrona e um controle digital para regular o volume e alternar entre o som do filme e um canal de músicas contínuas. A empresa fornece um cobertor para a viagem que também quebrou um galho. Depois de vários ônibus ruins, até que enfim um de qualidade. Dormi bem e cheguei em Porto Seguro lá pelas 7:00 da manhã. Pois é, o dia de ir embora está chegando.