[dropcap style=”style3″]D[/dropcap]essa vez não teve jeito. Como toda segunda-feira que se preze, o despertador tocou cedo. Para o Guto e a Mari o dia era de trabalho. Para o molenga que vos escreve, um roteiro de diferentes passeios estava para começar. Como combinado na noite anterior, o Eduardo foi me buscar de carro de manhã para darmos início ao nosso tour pelas cidades mais ao norte de Porto Alegre. Depois de me despedir dos meus excelentes anfitriões, colocamos o pé na estrada.

Fui percebendo ao longo do trajeto que esse tipo de passeio era mais apropriado para fazer acompanhado de uma namorada ou esposa. Tudo gira no clima de romantismo e por vezes me peguei perguntando o porquê de eu estar ali acompanhado de um barbudo. A começar pela rota que liga as cidades serranas: rota romântica. Vida de encalhado é asim mesmo (rs). O percurso de carro deve levar aproximadamente 1h30min. Os destinos principais eram Gramado e Canela, mas paramos antes em Nova Petrópolis. Um dos símbolos da cidade é o monumento feito em homenagem aos imigrantes. A cidade tem os seus atrativos, bem arrumada e charmosa também. O principal interesse turístico é o labirinto verde. Na porta de entrada dele havia um dos bonecos que ainda estavam na cidade por ocasião do Festival de Folclore. Esse é o tipo de passeio que normalmente pode ser feito de forma mais rápida, apenas como uma parada antes das duas principais cidades seguintes.

SAM_5117  SAM_5120

Gramado é o próximo destino. O elegante pórtico e a estátua do Kikito (o “Oscar” do Festival de Cinema) anunciam a chegada na cidade. É como se você entrasse em algum canto da Europa. As casas no estilo colonial, a organização, as várias lojas de chocolates, o friozinho constante e as vestimentas ajudam a criar o clima. Como o Festival de Cinema havia acabado um dia antes, a cidade já não estava tão movimentada. Mas deu para perceber como ela é toda feita para receber e cativar os turistas. Há muitas opções de gastronomia, lojas de artesanatos e museus para todos os gostos: Hollywood Drem Cars (museu de carros antigos), Museu do Chocolate, do Perfume Fragam, do Piano, Castelo Medieval, dos Festivais de Cinema e Tradicionalista Rodeio Velho. Além disso, a cidade tem o Mini Mundo (cidade em miniatura), Lago Negro, Igreja São Pedro, Vale do Quilombo, Palácio dos Festivais e Rua Coberta, que são outros pontos que valem a visita. Para quem tem mais tempo, o ideal é tirar no mínimo uns 3 dias para curtir Gramado e a vizinha Canela com mais tranquilidade.

SAM_5130

Depois de um almoço caprichado, fomos conhecer o Museu do Perfume. Lá o visitante pode assistir um filme de curta duração que conta um pouco da história dos perfumes e os processos que os especialistas utilizam para obter os odores. Cada uma mais surpreendente do que o outro. Um que eu me lembro é o da fragância do Chanel n° 5, extraída de uma substância que fica no ânus de uma espécie de furão da Tailândia (?!?!). Para vocês verem que às vezes a gente fica “tirando onda” com um perfume caro, quando na verdade a origem dele é bem “chulé”. No museu há uma lojinha que vende uma variedade de perfumes, odores para carro, desodorantes e tudo mais relacionado ao mundo dos cheiros. Pelo que eu entendi, tudo é produzido no local. Comprei um frasco pequeno de um perfume e não me arrependi. Fixador não deixa na mão.

SAM_5178  SAM_5180

Seguimos de carro até Canela, que é colada em Gramado. A cidade é ideal para esportes de aventura. Conta com cachoeiras, rios, lagos e parques ao redor. O Alpen Park é um dos lugares mais famosos e frequentados. Concentra atividades de aventura na natureza. A entrada é gratuita, você paga individualmente por cada atividade. Mas demos azar e batemos com a cara na porta por lá, porque segunda-feira é o único dia que ele não funciona. Conheço pessoas que tiveram melhor sorte, conheceram o parque e disseram que vale muito a pena.

A cidade tem seus atrativos arquitetônicos, como a igreja Nossa Senhora de Lourdes (em estilo gótico), e museus, como o Mundo a Vapor (parque temático de trens). Para os amantes das bebidas, há três opções para degustação e conhecimento da produção local: as vinícolas Jolimont e Granja da Telha, e a alambique Flor do Vale (produção de cachaça artesanal). Como eu estava acompanhado do meu amigo pinguço não pude deixar de conhecê-las.

 SAM_5182

Outras duas ótimas opções de passeio pela natureza local são o Parque da Ferradura e o Parque do Caracol. Como nosso tempo era curto fomos no segundo apenas. Entrada custava R$ 10. O legal por lá é descer os 700 degraus que nos deixam bem próximo à base da Cascata do Caracol. Se você chegar vivo depois de tanto degrau, vai ter uma ótima vista e sentir um pouco da água da cascata no rosto. Descanse bem e respire, porque a subida é ainda mais cansativa, principalmente para os gordinhos pinguços (ok, Eduardo, essa é pra você).

SAM_5215

Depois de um dia muito corrido, fomos à procura de um lugar para jantar e fechar bem o nosso roteiro. Ainda nesta mesma noite voltaríamos para Porto Alegre, pois meu ônibus sairia às 23h30m com destino ao Chuí. Quem quiser sair de Poa para Gramado e Canela, a melhor opção é realmente o carro. Por mais que você tenha opções tranquilas de ônibus que ligam as cidades, quando chegar nelas terá dificuldades para se deslocar pelos atrativos locais. Não vi ônibus passando perto das vínicolas e do Alpen Park, por exemplo. Caso o viajante mochileiro queira arriscar, tire pelo menos 2 ou 3 dias para conseguir fazer tudo com tranquilidade. Procure ver se os albergues ou agências especializadas oferecem opções de passeio em conta.

Enfim, a noite chegou para completar a minha ideia de que o passeio era muito mais apropriado para um casal. Eu e Eduardo resolvemos experimentar uma das especialidades gastronômicas de Gramado, o rodízio de Fondue. Já não é algo muito másculo para você fazer com um amigo seu, imagina então o ambiente que encontramos no local. Decoração romântica, iluminação baixa, jantar à luz de velas e músicas de amor ao fundo. Tivemos um acesso de riso durante alguns minutos. Que micaço. Sempre que o garçom chegava perto, os dois engrossavam a voz e falavam alguma besteira de futebol ou mulher para reforçar a ideia de que aquilo não era um jantar romântico e nós não éramos um casal gay. Tirando as piadas e zoações um com a cara do outro, o lugar é recomendadíssimo. A comida estava excelente e o vinho idem, atendimento sensacional. Vue de la Vallée é o nome do lugar, fica na Avenida das Hortênsias, 2989.

Às 22h30min cheguei na rodoviária, me despedi do Eduardo e embarquei uma hora depois rumo ao Chuí, a última cidade ao sul do Brasil. Dessa vez sem a companhia e as mamatas dos amigos. A aventura seria por conta própria a partir de agora.