[dropcap style=”style3″]A[/dropcap]ntes de começar os relatos de mais uma aventura pela América do Sul, convém apresentar a mais nova companheira de guerra: uma mochilona zero quilômetro. Resolvi investir um pouquinho mais dessa vez e comprei uma Deuter, marca famosa entre os viajantes pela qualidade do material que produz. Logo de cara, gostei muito do espaço dela para organizar as coisas. Não gosto de mochilas muito grandes, mas também já estava achando a antiga um pouco pequena e até desconfortável. Numericamente não mudou muito. A antiga da Trilhos e Rumos tinha capacidade para 48 litros, a nova da Deuter tem para 50. Mas na verdade, ela tem uma configuração que faz com que caiba muito mais. E tem suas vantagens como a abertura lateral (tem coisa pior que ficar tirando tudo e botando novamente na entrada superior sempre que se quer pegar alguma peça de roupa?), além de ter uma separação na parte inferior, onde dá para colocar tênis e roupas sujas. A mochilinha de ataque que “desgruda” do restante também é bem útil. Bom, a ideia não é fazer propaganda da Deuter, não estão me pagando nada (bem que podiam, né?).

Só quero apresentar a nova parceira e recomendar a todos que invistam sempre em algo de qualidade para carregar suas coisas, pois suas costas agradecem depois. Para quem não se lembra da antiga mochila, que contribuiu e muito nas viagens anteriores, assim como foi xingada em vários momentos, basta acessar o link aqui. A primeira a gente nunca esquece, mas mudar faz parte da vida.