Reclamamos muito de alguns estereótipos que a galera dos Estados Unidos e os europeus criam sobre nós brasileiros. Para muitos destes somos o país da sensualidade, do futebol, do samba, da malandragem, entre outras coisas. Mas quantos de nós também não possuímos uma visão bem preconceituosa dos vizinhos sul-americanos? O que mais sofre, coitado, é o Paraguai. Tão perto e tão desprezado.

Todas as piadinhas possíveis sobre falsificação costumam vir associadas ao nome do país. A maioria que cruza a fronteira não vai muito além do centro comercial de Ciudad del Este. E acha que o principal personagem por lá é a Larissa Riquelme, aquela gostosona que fez sucesso durante a Copa do Mundo de 2010 com um celular entre os peitões.

Nada contra admirar a musa ou curtir umas comprinhas depois da Ponte da Amizade. Eu mesmo já fiz minhas peregrinações por lá. Mas se você é um desses que acha que o Paraguai se resume a compras, vou tentar provar que o país tem outras atrações muito mais interessantes e convidativas. Vai que você muda de ideia e passa a considerar um passeio mais duradouro por lá.

A capital Assunção fica a pouco mais de cinco horas de viagem de ônibus de Ciudad del Este. É uma cidade segura, de povo receptivo e com boas atrações turísticas. Encarnación está a cinco horas de ônibus de Assunção e a umas seis horas de Ciudad del Este. A partir de Encarnación é possível conhecer as principais ruínas jesuíticas do país, que para mim são as atrações mais interessantes do Paraguai. Vale muito a pena conhecer, apesar de o acesso não ser dos mais fáceis.

Além deste triângulo de cidades que fica no sul do Paraguai, a região do Chaco, ao norte, oferece boas opções de turismo rural, que ainda pretendo visitar um dia. Nos próximos posts trarei detalhes das três regiões que conheci melhor em setembro de 2012: Ciudad del Este, Assunção e Encarnación. As informações estão atualizadas graças a ajuda do meu irmão Maurício, que esteve lá agora em maio. Espero que gostem. Aguardem!